Notícias

NOTÍCIAS

Embrapa apresenta importância da luz para produzir carne e leite

15/07/2015

Embrapa apresenta importância da luz para produzir carne e leite

Na produção de carne e leite, a luz é essencial. O crescimento e desenvolvimento das pastagens, principal alimento do rebanho bovino brasileiro, depende da incidência luminosa. A radiação solar também tem relação direta com o bem-estar animal. Durante o evento, os visitantes poderão ver em maquete a influência da luz em um sistema de ILPF. A diminuição da incidência de luminosidade afeta o crescimento dessas plantas. O que pode ocasionar menor produtividade na pecuária, refletindo na diminuição da oferta ou no aumento do preço de alimentos, como carne e leite. “Na região tropical a incidência luminosa é alta, portanto, o potencial da produção vegetal é elevado para a maioria das plantas cultivadas. Sistemas de produção agropecuários que favorecem a produtividade vegetal são responsáveis pela sustentabilidade da produção de alimentos, fibras e energia nos países com vocação rural, como o Brasil”, explica o pesquisador da Embrapa, Luiz Adriano Cordeiro. O sistema de integração lavoura-pecuária-floresta contribui para bem-estar animal propiciado pelas árvores em integração com pastagens. “Sistemas de ILPF possuem um microclima melhor, pois as árvores geram sombra que pode diminuir a radiação solar direta que atinge os animais em até 30%, a depender da espécie florestal”, enfatiza Cordeiro. Para não prejudicar o desenvolvimento das pastagens por falta de luz, a integração deve seguir alguns princípios, como o plantio das linhas de árvores em nível e, quando possível, em alinhamento leste-oeste e utilização de espaçamentos entrelinhas de árvores suficientes para que não ocorra sombreamento excessivo. Esses conceitos poderão ser vistos na maquete exposta no evento. O Tag Ativo, para identificação e monitoramento do trânsito de animais, foi desenvolvido pela Embrapa em parceria com a empresa AnimallTag. Será outra tecnologia que será apresentada pela Embrapa Pecuária Sudeste na 67ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A SBPC, que tem como tema “Luz, Ciência e Ação”, ocorre de 12 a 18 de julho na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O brinco eletrônico é fixado na orelha do bezerro assim que ele nasce. Um sinal de radiofrequência ativa o equipamento, que transmite o número do animal para um leitor portátil com memória para armazenar informações. O funcionamento vai além da porteira. Durante o transporte dos animais, o Tag Ativo permite que o fiscal conheça todos os dados do transporte, como quantidade de animais, identificação de cada um, peso, idade, origem, destino, hora e data de embarque, além de informações do veículo. Visitantes do estande da Embrapa poderão simular o uso do brinco, utilizando um chapéu com o equipamento e ter seus dados lidos pelo leitor portátil. É um sistema de baixo custo, que automatiza o processo de fiscalização nos postos de controles da sanidade animal, mesmo em regiões afastadas, sem infraestrutura. A tecnologia substitui os documentos em papel exigidos no transporte de gado, como atestados de vacina. A programação com as atividades desta edição da SBPC está no endereço eletrônicowww.sbpc.ufscar.br e no site da SBPC. As informações são do Núcleo de Comunicação Organizacional da Embrapa Pecuária Sudeste. Texto: http://www.milkpoint.com.br/ Foto: www.embrapa.br

Outras Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso Rápido

INFORMAÇÕES

RODOVIA ANHANGÜERA 313KM - CAIXA POSTAL 336

RIBEIRÃO PRETO - SP - BRASIL - CEP 14001-970

55 16 3969-1159

MARANGATU@MARANGATU.COM.BR

Rodapé